AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

RESOLUÇÃO ANP Nº 57, DE 20.10.2011 - DOU 21.10.2011

 

Nota:

Revogada pela Resolução ANP 40, de 25.10.2013 – DOU 28.10.2013 – Efeitos a partir de 1º. 1.2014

 

O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP - no uso de suas atribuições legais, tendo em vista as disposições da Lei nº 9.478, de 06 de agosto de 1997, alterada pela Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005, e com base na Resolução de Diretoria nº 961, de 19 de outubro de 2011,

Considerando que compete à ANP implementar, em sua esfera de atribuições, a política nacional de petróleo, gás natural e biocombustíveis, contida na política energética nacional, nos termos do Capítulo I da Lei nº 9.478/1997, com ênfase na garantia do suprimento de derivados de petróleo, gás natural e seus derivados, e de biocombustíveis, em todo o território nacional, e na proteção dos interesses dos consumidores quanto a preço, qualidade e oferta dos produtos;

Considerando que cabe à ANP especificar a qualidade dos derivados de petróleo, gás natural e seus derivados e dos biocombustíveis; e

Considerando os esforços envidados pelo governo e indústria para o controle da poluição atmosférica de modo a promover a melhoria da qualidade ambiental e o bem-estar da população,

Resolve:

 

Art. 1º Esta Resolução tem por objetivo regulamentar as especificações das gasolinas de uso automotivo e as obrigações quanto ao controle da qualidade a serem atendidas pelos diversos agentes econômicos que comercializam o produto em todo o território nacional.

Art. 2º Para efeitos desta Resolução as gasolinas automotivas classificam-se em:

I - gasolina A - combustível produzido por processo de refino de petróleo ou formulado por meio da mistura de correntes provenientes do refino de petróleo e processamento de gás natural, destinado aos veículos automotivos dotados de motores ciclo Otto, isento de componentes oxigenados;

II - gasolina C - combustível obtido da mistura de gasolina A e etanol anidro combustível, nas proporções definidas pela legislação em vigor.

Seção I

Das Definições

Art. 3º Para efeitos desta Resolução define-se:

I - Distribuidor: empresa autorizada pela ANP para o exercício da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, etanol combustível, gasolina C, biodiesel, óleo diesel B, óleo diesel BX autorizado pela ANP, e outros combustíveis automotivos;

II - Importador: empresa autorizada pela ANP para o exercício da atividade de importação;

III - Formulador: empresa autorizada pela ANP a exercer a atividade de produção de combustível líquido, exclusivamente por mistura mecânica de correntes de hidrocarbonetos líquidos (Formulação de Combustíveis);

IV - Certificado da Qualidade: documento da qualidade, emitido pela refinaria, central de matérias-primas petroquímicas, Formulador e pelo Importador, que deve conter todas as informações e os resultados das análises das características do produto, constantes no Regulamento Técnico, parte integrante desta Resolução;

V - Boletim de Conformidade: documento da qualidade, emitido pelo distribuidor, que deve conter os resultados das análises das características do produto definidas no § 3º do art. 7º, conforme o Regulamento Técnico, parte integrante desta Resolução.

Seção II

Das Obrigações

Art. 4º As refinarias, centrais de matérias-primas petroquímicas, formuladores e importadores de gasolina deverão analisar uma amostra representativa do volume a ser comercializado e emitir o Certificado da Qualidade, com identificação própria por meio de numeração sequencial anual.

§ 1º O Certificado da Qualidade deverá ser firmado pelo químico responsável pela qualidade do produto, com indicação legível de seu nome e número da inscrição no órgão de classe, inclusive no caso de cópia emitida eletronicamente.

§ 2º O Certificado da Qualidade poderá ser assinado digitalmente, conforme legislação vigente.

§ 3º As refinarias, centrais de matérias-primas petroquímicas, formuladores e importadores deverão manter, sob sua guarda e à disposição da ANP, pelo prazo mínimo de 2 (dois) meses, a contar da data da comercialização do produto, uma amostra-testemunha de 1 (um) litro com o respectivo Certificado da Qualidade.

§ 4º Esta amostra deverá ser armazenada em embalagem de cor âmbar, fechada com batoque e tampa plástica com lacre, que deixe evidências em caso de violação, mantida em local protegido de luminosidade e à temperatura inferior a 20 ºC.

§ 5º O Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (DANFE) ou a documentação fiscal referente às operações de comercialização da gasolina realizadas pelas refinarias, centrais de matérias-primas petroquímicas, formuladores e importadores deverão indicar o código e descrição do produto, estabelecidos pela ANP, conforme legislação vigente, além do número do Certificado da Qualidade correspondente ao produto.

§ 6º O produto, ao ser transportado, deverá ser acompanhado de cópia legível do respectivo Certificado da Qualidade.

Art. 5º A adição de etanol anidro combustível à gasolina A cabe exclusivamente ao distribuidor autorizado pela ANP.

§ 1º O distribuidor somente poderá comercializar gasolina A com outro distribuidor.

§ 2º A comercialização a que se refere o parágrafo anterior deve respeitar o limite estabelecido pelo art. 16-B da Portaria ANP nº 29, de 9 de fevereiro de 1999, ou regulamentação que venha a substituí-la.

§ 3º É de responsabilidade do distribuidor garantir que o teor de etanol na gasolina C esteja em conformidade com o teor estabelecido na legislação vigente.

Art. 6º O distribuidor somente poderá adquirir gasolina A cujo Certificado da Qualidade esteja de acordo com os dispositivos deste regulamento.

Parágrafo único. A cópia do Certificado da Qualidade recebida pelo distribuidor, no ato do recebimento do produto, deverá ficar à disposição da ANP pelo prazo mínimo de 12 (doze) meses, a contar da data de recebimento, para qualquer verificação julgada necessária.

Art. 7º O distribuidor deverá analisar uma amostra representativa do volume de gasolina C a ser comercializado e emitir o Boletim de Conformidade, com numeração sequencial anual.

§ 1º O Boletim de Conformidade deverá ser firmado pelo químico responsável pela análise laboratorial realizada, com indicação legível de seu nome e número da inscrição no órgão de classe, inclusive no caso de cópia emitida eletronicamente.

§ 2º O Boletim de Conformidade poderá ser assinado digitalmente, conforme legislação vigente.

§ 3º O Boletim de Conformidade deverá conter, pelo menos, os resultados das análises de massa específica e itens de especificação da destilação, conforme o Regulamento Técnico, parte integrante desta Resolução.

 

§ 4º Suprimido

(Nota)

§ 4º Na impossibilidade de coletar amostra de gasolina C, a certificação referida no caput será realizada em amostra constituída pela mistura de gasolina A e etanol anidro combustível coletados dos tanques que abastecerão o caminhão-tanque, nas proporções definidas pela legislação em vigor.

(Nota)

§ 5º É responsabilidade do distribuidor garantir que a qualidade da gasolina C contida no caminhão-tanque reflita os resultados declarados no respectivo Boletim de Conformidade.

(Nota)

§ 6º O produto, ao ser transportado, deverá ser acompanhado de cópia legível do respectivo Boletim de Conformidade.

(Nota)

Art. 8º O distribuidor deverá lacrar cada compartimento do caminhão-tanque abastecido com gasolina, com lacre numerado, cujo número deverá constar na documentação fiscal e no DANFE referentes à comercialização do produto.

§ 1º O Boletim de Conformidade deverá ficar à disposição da ANP, pelo prazo mínimo de 12 (doze) meses, a contar da data de comercialização do produto, para qualquer verificação julgada necessária.

§ 2º A documentação fiscal e o DANFE, referente às operações de comercialização da gasolina realizadas pelo distribuidor, deverão indicar código e descrição do produto, estabelecidos pela ANP, conforme legislação vigente, além do número do Boletim de Conformidade correspondente ao produto.

Seção III

Das Disposições Transitórias

Art. 9º Para efeitos desta Resolução fica concedido prazo de 60 dias, a contar da data da sua publicação no Diário Oficial da União, para os agentes econômicos regulados pela ANP informarem o código e a descrição do produto na documentação fiscal e no campo observação do DANFE.

Seção IV

Das Disposições Gerais

Art. 10. Fica vedada a comercialização de gasolina automotiva que não se enquadre nas especificações estabelecidas por esta Resolução e/ou na qual esteja presente marcador regulamentado pela Resolução ANP nº 3, de 19 de janeiro de 2011, ou regulamentação que venha a substituí-la.

Art. 11. A ANP poderá, a qualquer tempo, submeter refinarias, centrais de matérias-primas petroquímicas, formuladores, importadores e distribuidores à vistoria técnica da qualidade, a ser executada por seu corpo técnico ou por entidades credenciadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), sobre os procedimentos e equipamentos de medição que tenham impacto sobre a qualidade e a confiabilidade dos serviços de que trata esta Resolução.

Seção V

Das Disposições Finais

Art. 12. O não atendimento ao disposto nesta Resolução sujeita os infratores às penalidades previstas na Lei nº 9.847, de 26 de outubro de 1999, alterada pela Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005, e no Decreto nº 2.953, de 28 de janeiro de 1999, sem prejuízo das penalidades de natureza civil e penal.

Art. 13. Os casos não contemplados nesta Resolução serão objetos de análise e deliberação pela ANP.

Art. 14. Fica revogada a Portaria ANP nº 309, de 27 de dezembro de 2001.

Art. 15. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União.

 

HAROLDO BORGES RODRIGUES LIMA

 

ANEXO

REGULAMENTO TÉCNICO ANP Nº 7/2011

 

1. Objetivo

Este Regulamento Técnico aplica-se às gasolinas A e C, de uso automotivo, comercializadas em todo o território nacional e estabelece suas especificações.

2. Normas aplicáveis

A determinação das características dos produtos será realizada mediante o emprego de Normas Brasileiras (NBR) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) ou de normas da American Society for Testing and Materials (ASTM).

Os dados de precisão, repetitividade e reprodutibilidade, fornecidos nos métodos relacionados a seguir, devem ser usados somente como guia para aceitação das determinações em duplicata do ensaio e não devem ser considerados como tolerância aplicada aos limites especificados neste Regulamento.

A análise do produto deverá ser realizada em amostra representativa do mesmo, obtida segundo método ABNT NBR 14883 - Petróleo e produtos de petróleo - Amostragem manual ou ASTM D4057 - Practice for Manual Sampling of Petroleum and Petroleum Products.

As características constantes da Tabela de Especificação deverão ser determinadas de acordo com a publicação mais recente dos seguintes métodos de ensaio:

2.1 Métodos ABNT

 


Método ABNT

TÍTULO

NBR 14932

Produtos líquidos de petróleo - Determinação dos tipos de hidrocarbonetos pelo indicador de adsorção por fluorescência

NBR 14149

Gasolina e misturas de gasolina com produtos oxigenados - Determinação da pressão de vapor pelo método seco

NBR 7148

Petróleo e produtos de petróleo - Determinação da massa específica, densidade relativa e ºAPI - Método do densímetro

NBR 9619

Produtos de petróleo - Destilação à pressão atmosférica

NBR 13992

Gasolina automotiva - Determinação do teor de álcool etílico anidro combustível (AEAC)

NBR 14065

Destilados de petróleo e óleos viscosos - Determinação da massa específica e da densidade relativa pelo densímetro digital

NBR 14156

Produtos de petróleo - Determinação da pressão de vapor - Minimétodo

NBR 14359

Produtos de petróleo - Determinação da corrosividade - Método da lâmina de cobre

NBR 14478

Gasolina - Determinação da estabilidade à oxidação pelo método do período de indução

NBR 14525

Combustíveis - Determinação de goma por evaporação

NBR 14533

Produtos de petróleo -Determinação de enxofre por espectrometria de fluorescência de raios X (energia dispersiva)

NBR 14954

Combustível destilado - Determinação da aparência

NBR 16041

Etanol combustível - Determinação dos teores de metanol e etanol.

(Nota)

 

2.2 Métodos ASTM

 


Método ASTM

TÍTULO

D86

Distillation of Petroleum Products at Atmospheric Pressure

D130

Corrosiveness to Copper from Petroleum Products by Copper Strip Test

D381

Gum Content in Fuels by Jet Evaporation

D525

Oxidation Stability of Gasoline (Induction Period Method)

D1266

Sulfur in Petroleum Products (Lamp Method)

D1298

Density, Relative Density (Specific Gravity), or API Gravity of Crude Petroleum and Liquid Petroleum Products by Hydrometer Method

D1319

Hydrocarbon Types in Liquid Petroleum Products by Fluorescent Indicator Adsorption

D2622

Sulfur in Petroleum Products by Wavelength Dispersive X -ray Fluorescence Spectrometry

D2699

Research Octane Number of Spark-Ignition Engine Fuel

D2700

Motor Octane Number of Spark-Ignition Engine Fuel

D3120

Trace Quantities of Sulfur in Light Liquid Petroleum Hydrocarbons by Oxidative Microcoulometry

D3237

Lead in Gasoline by Atomic Absorption Spectroscopy

D3606

Determination of Benzene and Toluene in Finished Motor and Aviation Gasoline by Gas Chromatography

D4052

Density, Relative Density, and API Gravity of Liquids by Digital Density Meter

D4176

Free Water and Particulate Contamination in Distillate Fuels (Visual Inspection Procedures)

D4294

Sulfur in Petroleum and Petroleum Products by Energy Dispersive X-ray Fluorescence Spectrometry

D4953

Vapor Pressure of Gasoline and Gasoline-Oxygenate Blends (Dry Method)

D5190

Vapor Pressure of Petroleum Products (Automatic Method)

D5191

Vapor Pressure of Petroleum Products (Mini Method)

D5443

Paraffin, Naphthene, and Aromatic Hydrocarbon Type Analysis in Petroleum Distillates Through 200ºC by Multi-Dimensional Gas Chromatography

D5453

Determination of Total Sulfur in Light Hydrocarbons, Spark Ignition Engine Fuel, Diesel Engine Fuel, and Engine Oil by Ultraviolet Fluorescence

D5482

Vapor Pressure of Petroleum Products (Mini Method-Atmospheric)

D6277

Determination of Benzene in Spark-Ignition Engine Fuels Using Mid Infrared Spectroscopy

D6378

Standard Test Method for Determination of Vapor Pressure (VPX) of Petroleum Products, Hydrocarbons, and Hydrocarbons-Oxygenate Mixtures (Triple Expansion Method)


 

3. Tabela de Especificação

 


CARACTERÍSTICA

UNIDADE

ESPECIFICAÇÃO

MÉTODO

Gasolina Comum

Gasolina Premium


Tipo A

Tipo C

Tipo A

Tipo C

ABNT NBR

ASTM

Teor de Metanol, máx

% volume

0,5 (1)

16041

-

(Nota)

Cor

-

(2)

(3)

(2)

(3)

14954

D4176

Aspecto

-

(4)

Etanol Anidro Combustível

% volume

1 (máx.) (1)

(5)

1 (máx.) (1)

(5)

Cromatografia/13992

-

Massa específica a 20 ºC

kg/m3

anotar

7148

14065

D1298

D4052

Destilação

10 % evaporado, máx.

ºC

65,0

9619

D86

50 % evaporado, máx.

120,0

80,0

120,0

80,0

90 % evaporado, máx.

190,0

PFE, máx.

220,0

Resíduo, máx.

% volume

2,0

Nº de Octano Motor - MON, mín.

-

(6)

82,0

-

-

-

D2700

Índice Antidetonante - IAD, mín. (7)

-

(6)

87,0

(6)

91,0

-

D2699

D2700

Pressão de Vapor a 37,8 ºC (8)

kPa

45,0 a 62,0

69,0 (máx.)

45,0 a 62,0

69,0 (máx.)

14149

14156

D4953

D5190

D5191

D5482

D6378

Goma Atual Lavada, máx.

mg/100 mL

5

14525

D381

Período de Indução a 100 ºC, mín.

min

(9)

360

(9)

360

14478

D525

Corrosividade ao Cobre a 50 ºC, 3h, máx.

-

1

14359

D130

Enxofre, máx.

mg/kg

-

800

(10)

-

800

(10)

14533

D1266

D2622

D3120

D4294

D5453

Benzeno, máx.

% volume

-

1,0 (10)

-

1,5 (10)

-

D3606

D5443

D6277

Chumbo, máx. (1)

g/L

0,005

-

D3237

Aditivos (11)

-

-

-

-

Hidrocarbonetos: (12)

Aromáticos, máx.

% volume

-

45 (10)

-

45 (10)

14932

D1319

Olefínicos, máx.

% volume

-

30 (10)

-

30 (10)


 

(1) Proibida a adição. Deve ser medido quando houver dúvida quanto à ocorrência de contaminação.

(2) De incolor a amarelada, isenta de corante.

(3) De incolor a alaranjada, se isenta de corante, cuja utilização é permitida no teor máximo de 50 ppm com exceção da cor azul, restrita à gasolina de aviação.

(4) Límpido e isento de impurezas.

(5) O etanol anidro combustível a ser misturado às gasolinas automotivas para produção da gasolina C deverá estar em conformidade no teor e na especificação estabelecidos pelas legislações em vigor.

(6) Os ensaios de octanagem MON e RON deverão ser realizados com a adição de etanol anidro combustível à gasolina A, no teor de um ponto percentual abaixo do valor em vigor na data da produção da gasolina A.

(7) Índice antidetonante é a média aritmética dos valores das octanagens determinadas pelos métodos MON e RON.

(8) Para os Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins, bem como para o Distrito Federal, admite-se, nos meses de abril a novembro, um acréscimo de 7,0 kPa ao valor máximo especificado para a Pressão de Vapor.

(9) O ensaio de Período de indução deverá ser realizado após a adição de etanol anidro combustível à gasolina A, no teor de um ponto percentual acima do valor em vigor na data da produção da gasolina A.

(10) Os teores máximos de Enxofre, Benzeno, Hidrocarbonetos Aromáticos e Hidrocarbonetos Olefínicos devem ser atendidos após a adição de etanol anidro combustível à gasolina A, no teor de um ponto percentual abaixo do valor em vigor na data da produção da gasolina.

(11) Utilização permitida conforme legislação em vigor, sendo proibidos os aditivos que apresentam compostos químicos à base de metais pesados.

(12) Alternativamente, é permitida a determinação dos hidrocarbonetos aromáticos e olefínicos por cromatografia gasosa. Em caso de desacordo entre resultados, prevalecerão os valores determinados pelo ensaio realizado conforme a norma ABNT NBR 14932 ou ASTM D1319.


imprimir

"Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União"